Céu.

29 05 2009

    

 Muitos de nós tem uma concepção muito baixa e mal orientada sobre o céu. Se você 

perguntar para muitos Cristãos o que eles acham que o céu vai ser eles respondem coisas como 

estas, “Bem, acho que as ruas serão feitas de ouro. . . e todos nós teremos asas. . . e tocaremos 

harpa.” Aí você pergunta “Sério! e você gosta de música de harpa?” Aí eles respondem, “Não, na 

verdade não.” Muitos cristãos adotaram sem perceber, uma visão sobre o céu que são menos do que 

convidativas. 

 Quando entrarmos no céu, estaremos entrando em um novo tipo de existência onde não 

haverão mais lágrimas; dor, e o sofrimento não chegará mais perto de nós. Porém isto é só o 

começo. De acordo com C. S. Lewis, existem cinco promessas na Bíblia sobre o céu. Primeiro, 

estaremos em Cristo. Segundo, seremos como  Ele, ou seja, seremos inteiros e completos. Terceiro, 

teremos glória–ou seja, Deus nos abençoará e conheceremos a alegria máxima do universo: “A 

satisfação de ter agradado” a Deus. Quarto, vamos festejar. O melhor dia de ações de graça não se 

compara com esta festa. E em quinto lugar, “teremos um tipo de posição oficial no universo.”20 

 Tudo isso para nos dizer que o que iremos experimentar–o que nossos amados e cristãos 

estão agora experimentando–é um deleite puro. Não só veremos beleza; nos tornaremos parte dela; 

seremos injetados por cor e luz. Vamos tomar banho neles. O último ponto de Lewis “teremos um 

tipo de posição oficial no universo,” está baseado no versículo de Apocalipse que diz, “Não haverá 

mais noite. Eles não precisarão mais de luz da candeia, nem da luz do sol, pois o Senhor Deus os 

iluminará; e eles reinarão para todo o sempre.” (Apocalipse 22:5). 

 Vamos fazer algo. Reinar significa ter voz sobre alguma coisa, estar encarregado de algo. 

Estaremos criando e construindo e organizando. Não vamos ficar sentados sem fazer nada. George 

MacDonald imaginou que nós iremos “acender as luas” e vestir o mundo com verde; poderemos até 

“erguer pôr do sol sobre um mar rosa e roxo.” Faremos coisas que amamos. Vamos experimentar 

uma alegria infinita     

 

James Bryan SMITH , do livro Uma flecha apontando para o céu.






25 05 2009

C.S Lewis

 “Somente aqueles que tentam resistir à tentação sabem o quão forte ela é. . . 

É por isto que as pessoas más sabem muito pouco sobre a maldade. Elas vivem uma vida 

abrigadas pelo fato de sempre se renderem. Nunca iremos descobrir a força do impulso 

mal dentro de nós até que tentemos lutar contra ele: e Cristo, por ter sido o único 

homem que nunca se rendeu a tentação, é também o único homem que conhece a 

plenitude do que significa a tentação–o único realista completo.” 

–C. S. Lewis– 

 

 Algumas pessoas podem dizer, “O que há de errado com o pecado–vocês cristão são tão 

repressores!” O que eles não conseguem ver é que quando nós pecamos–qualquer um de nós, 

cristãos ou não–abrimos um tipo de “caixa de pandora,” e teremos que viver com as consequências. 

Nossas vidas começam a ir de mal a pior. Mesmo que buscando e experimentando o perdão de 

Deus, jamais apagaremos as consequências de nossas ações. Aprendemos segredos que mais tarde 

vamos desejar não ter conhecido; vamos permitir que algumas coisas deformem o nosso coração. 

Não existe a opção de fechar a caixa e esperar que tudo desapareça. Vivemos com isso para sempre. 

Um pequeno momento de prazer pode levar a uma vida inteira de dor.   (James Bryan Smith, do livro Uma felcha apontando para o céu)






18 05 2009

  Quando leio alguns dos salmos bíblicos, fico com a impressão de que todo sofrimento, alguma maneira, atrai a presença de Deus. Conheço algumas pessoas que pensam que os cristão devem ter resposta pra tudo assim que sei de alguns cristão que acredita nisso também. Prefiro ficar com a observação de Rich Mullins:

bibliaAs vezes é difícil acreditar que a vida é boa. Nem sempre é agradável, 

porém é um grande presente, e nosso papel como seres humanos e sair lá fora e viver o melhor que 

pudermos. Cristianismo não responde todas as minhas perguntas ou me faz sentir confortável e 

feliz. O que ele faz é me dar um contexto para viver.”

 

 

 

 Vivendo nesse contexto, percebo na verdade que o cristianismo não dá todas as resposta. Não porque Deus não as tenha, mas porque o propósito de ser cistão é receber completamente o amor de Deus e poder transmiti-lo aos outros. Dentro disso a vida continua tendo seus altos e baixos. Dias bons e outros nem tanto. 

  Acabamos pensando que quanto mais amigos ou coisas temos, menor será nossa solidão. Nos enganamos! Dentro de nós existe uma solidão que ninguém pode tirar e quando buscamos na amizades suprir essa carência, nos frustramos e frustramos o próximo. Da mesma forma lidamos com a dor. HOMEM-17 Na verdade tentamos não lidar com a dor. C.S Lewis disse certa vez:

“Deus sussurra para nós em nosso prazeres, fala em nossa consciência, porém grita em nossa dor; é o Seu megafone para despertar um mundo surdo.”   

         Infelizmente em nosso mundo hoje, perdemos bastante esse senso de  ” sofrer”. Isso influi diretamente em nosso dever como cristãos de ” sofrer pelo evangelho”.    Vale a pena a gente pensar um pouco em como temos negligenciado nossa dor mesmo quando sabemos que foi Cristo que escolheu a dor como forma de se revelar Senhor e Salvador do mundo.

“Não incite seu coração para recompensas temporais. Se fosse bom fazer isso, Jesus teria colocado seu coração nelas. Não tenha medo de insultos, cruz e morte; porque se elas causaram danos ao homem, a humanidade a qual o Filho de Deus adotou não teria suportado.” 

–Santo Agostinho– 

  Bem, é verdade que não temos resposta pra todas as coisas. Mas sabemos quem tem e precisamos olhar e apontar pra essa figura. Além disso, termos coragem de passar por toda dor que nossa vida pode ter. Quando a gente não encara nossa dor, nossa solidão, perdemos a grande chance de Deus mudar nosso coração, nos tornar pessoas melhores. (Ele levanta do pó o necessitado e ergue do lixo o pobre para fazê-los sentar-se com príncipes. Salmo 113: 7;9

 À luz da eternidade, nosso sofrimento é momentâneo e serve para nos moldar para um eterno peso de glória. (2Cor:4;7) Precisamos aprender a passar pelo vale das lágrimas. Precisamos entender o que é ser servo de Cristo. Somente assim poderemos sofrer em paz, pela sabedoria que o mundo julga ser loucura, pela vergonhosa cruz que nos redime, morrendo os nosso desejos para que se cumpre o desejo de nosso Rei, a saber, Jesus Cristo.

 

D. Distler.


                                                             





A imprudente e violenta fúria do amor de Deus

13 05 2009


 Será que Deus “sente”? Seria Deus capaz de se apaixonar? Será que Ele se empolga ou 

foto e tradução by Nådia Otake.

Ele é sério? Estamos acostumados com a imagem de Deus como um Pai nervosos mais do que  

pensamos Nele como amante (alguns de nós preferimos Deus como um Pai–menos como 

personalidade, mais um ideal). Estamos contentes em ter Deus como o Criador, mas 

assustados em pensar Nele como sendo criativo? Gostamos de Deus como engenheiro, porém 

nos recusamos a pensar nele como um artista? Ele ser um administrador nos conforta, mas 

ser um poeta nos ameaça? Nós gostamos do brilho da luz de Deus mas nos protejemos do 

calor de suas chamas? A idéia de que Jesus tolerava a mulher pecadora ungindo seus pés  e 

João descansando a cabeça em seu peito faz a gente se contorcer, então o pensamento de que Rich Mullins

Ele gostava disso nos dá vontade de vomitar? Como podemos aceitar a idéia de que Moisés 

viu um arbusto que queimava e não era consumido e ainda duvidarmos de que Deus  pode 

amar violentamente e nunca se acalmar?  ( Rick Mullins, revistaRelease magazine )





Enquanto a crise não chega.

11 05 2009

Foto38Eu fico aqui pensando porque tantas pessoas chegaram a conclusão de que a busca a Deus é mais efetuada quando se está passando por alguma crise. Lendo um capítulo de um livro que estou  lendo percebi que essa é a realidade dos cristão que não têm uma disciplina espiritual adequada.Mas o ideal não é isso.

Se pensássemos bem e analizássemos a vida de Paulo, Jesus, e Davi veríamos que o ideal é buscarmos e nos sevirmos de Deus enquanto o lado obscuro de nossa vida não chega, para que quando chegar nós podermos apenas nos refugiarmos nos recantos tranquilos da sabedoria já contida em nossa alma. Não iremos nos desesperar pois tomamos conhecimento e provamos gota a gota das águas tranquilas. Teremos então o prazer de refrigerarmos nossa alma n’Ele.

Penso em Paulo. É bem provável que se ele deixasse para conhecer o Senhor somente nos momentos de tribulação sua alma não aguentaria e desistiria com apenas uma leve pressão das correntes. Ele não aguentaria! Muito menos abriria a boca para simplesmente louvar enquanto a nudez esfriava seu corpo e as algemas pressionavam seu coração. 

Ele não abriu a boca para pedir. O que ele precisava já havia obtido dias e meses atrás no silêncio de seus pensamentos egoístas. Deus já estava na vida dele. Ele ainda podia sentir o seu gosto. O alimento estava fresco em sua memória, e assim cantava para lembrar ainda mais.

Se Davi tivesse deixado para conhecer a Deus nos momentos de tribulação seria bem provável que não se arrependeria quando adulterou com Bete Seba. Foram seus momentos a sós com Ele que o permitiram entender o quanto estava errado.

Se Jesus esperasse  o momento da morte para exprimentar Deus ele não saberia porquê estava morrendo.

É o nosso relacionamento diário com Deus que nos faz estarmos preparados para todas aquelas circunstâncias que Paulo menciona. E é fato que quando estamos em meio a uma crise ficamos mais sensíveis e sem aquela armadura de proteção, mas o fato é que a mesa está posta para qualquer momento de nossas vidas, não apenas os difíceis….aproveite! 

Uma vida cheia de turbulência e barulho pode parecer para quem vive, sábia e louvável; Mas a sabedoria é uma pérola mais facilmente encontrada em águas tranquilas.”   Willian Cowper

L. Distler





Coisas que se ganha pelo caminho.

5 05 2009

  Apesar da luta constante com milhas falhas, estou muito contente com o momento de nossas vidas aqui em Curitiba. Algumas coisas que temos experimentado:

– Aprender a viver com pouco nos torna mais dependentes de Deus e dos outros .dsc07161

– Existe uma alegria diferente quando se entende isso.

– Depender de Deus é estar o tempo todo sendo surpreendido por algo que é óbvio mas nem sempre sabemos ver.

– Viver com pouco sem nada ter falta é um princípio nobre que somente os pobres tem o privilégio de poder aprender. Isso não significa não sofrer na pobreza mas sim continuar mantendo o caráter, o amor a Deus, a dignidade e o compromisso com a verdade.

– É somente na tribulação que a gente cresce.

– Deus jamais abandona a gente. A gente é que as vezes o abandona.

– Louvar a Deus em situações difícieis é muito mais intenso e misteriosamente gratificante do que quando está tudo bem. Talvez seja o mesmo princípio de amar ao inimigo.

– A gente não precisa de boa parte do que deseja ou possui.

– É muito melhor passar por qualquer dificuldade casado do que sozinho.

– Os verdadeiros amigos estão sempre por perto.

– Deus usa as pessoas menos prováveis para nos abençoar.

– A verdadeira felicidade é um estado do espírito conectado em Deus.