Diálogo saudável só pode fazer bem..

29 01 2011

Hoje num desse site de relacionamentos, tive uma discussão (no bom sentido) sobre igreja..

A seguir o diálogo (sem nomes para não expor ninguém. Coloquei numeros para simbolizar as pessoas do diálogo. Todos os participantes estão cientes de que postei e concordaram..)

1- “A pergunta “vc esta em uma igreja?” e a afirmação “volte pra Jesus” numa mesma frase mostra o quanto a igreja precisa de pessoas que podem mostrar que Jesus só estará na igreja se lá estiver o “corpo e Cristo”. Infelizmente o Corpo de Crista nunca estará lá (pelo menos não na plenitudde revelativa da graça), enquanto os de dentro julgarem os que estão fora e os de fora, se sentirem injustiçados e permanecerem donos de uma meia verdade, a saber, a vida cristã sem igreja…”

2- “Pois é.. sabemos da teoria… mas infelizmente a igreja que vivemos hj não é a igreja da Bíblia. Isso não quer dizer que todas as pessas de dentro da igreja sejam assim, ainda temos aquelas que estão cientes da situação e lutam pelo Corpo de Cristo e admiro essas pessoas… tô longe de ser assim. Mas os que estão de fora como eu, sentimos falta dessa comunhão…”

3- “O problema é um único e não sobre igreja/cristo/pessoas, mas sobre tudo que vivemos: muito se fala e pouco se faz. – e eu me enquadro nisso tb”

2- “Me enquadro tb!”

1- “Para vc ter a igreja bíblica que deseja, implica diretamente na sua decisão e “ser igreja” hj. Nada vai acontecer enquanto sentamos as portas da instituição torcendo para um final feliz,ou na pior hipótese, por um fim ruim… Acontece que, se vc diz que a igreja não é bíblica, então sabe o que deve ser uma igreja bíblica. Então o melhor lugar para vc estar não seria dentro da igreja? ensinando outro a viver o padrão da igreja bíblica? isso não é fácil, mas para quem se define cristão, a vida não é pra ser fácil,mas pra ser plena…a falta de comunhão que vc sente é apenas reflexo da sua decisão de se afastar daqueles que julga estarem errados…”

2- “Por isso disse estar enquadro…”

1-“Reconhecer que vc enquadrada no “muito se fala e pouco se faz” é admirável, porém sem valor algum se vc não muda sua atitude. Se torna igual à aqueles que está julgando estarem errados..”

3- “Eu num to julgando alguém to falando que o problema pra mim da sociedade  é isso, vc que tá me julgando falando q eu num to mudando, mas é normal… a gte veio ao mundo pra julgar tanto que acabamos confundindo uma opinião com um julgamento… Mas num tenho problema com isso não, fique tranquilo, minha opinião sobre muito se fala e pouco se faz ainda continuará. Ter opinião sobre algo é diferente de julgar… Por isso as pessoas da igreja tem uma opinião diferente das de fora, ou vice versa, a gte leva como um super JULGAMENTO, qdo as vezes é só uma questão de opinião… Mas a gte não consegue lidar com oq é diferente a nós, é dificil.”

4- ” Eu graças a Deus me libertei da igreja/julgamento/enquadramento/máscaras/prisão e agora eu vivo a verdadeira comunhão com Deus, com Jesus, com o amor, com meus amigos, com quem eu não conheço, com quem me ama e com quem me odeia.”

1- “Se vc admite que fala muito e faz pouco, então não estou te julgando mas constatando um fato dito por vc mesma. Opinião sempre será um ponto de vista com base em algum julgamento. O mundo está um caos pq acredita que não ha verdade absoluta…portanto cada um defende um tipo de moral mas todos querem ser tratados com respeito e amor,provando que apesar de dizerem que não acreditam na verdade absoluta, desejam serem tratadas com base nessa verdade. O que estou dizendo é que só pode haver 1 em duas definições: ou se acredita na igreja ou não se acredita. (levando em conta toda maldade implícita na instiuição). Quem acredita na igreja deve defende-la e não atacá-la (falo isso sobre tudo em relação as distorções dentro ela, temos que impedir isso) Quem não acredita na igreja,está pondo em cheque o proposta de Cristo,que virá buscar a igreja ( sim a prostituta de quem falamos aqui ) -Oséias é um bom livro pra entender isso…Pra ficar claro: não estou defendendo a instutição como ela se encontra hoje. Mas defendo uma igreja onde pessoas como eu,vcs possam conviver…e não acho que abandonar a igreja para viver um cristianismo sem ela responda essa questão..ela resolve um problema (o pessoal) ..eu luto pela igreja sim…

4-“Eu nunca vi em lugar nenhum da bíblia que a igreja é um lugar físico… pelo o que eu entendi a igreja é a conexão entre as pessoas…”

1- “Sim..uma conexção….e onde na bíblia havia essa conexão? e onde ela existe hoje? ..onde quer que ela aconteça, ali da-se o nome de igreja.. por isso reafirmo, vc pode sair de uma igreja pq acha que ela está errada (um ex: Renascer) mas simplesmente não frequentar + um igreja é o extremo maléfico disso..ou vc pode permanecer e tentar ser cristão na igreja (ex: na Renascer)(como Jesus era judeu entre os fariseus) ae sim existe coerência para criticas. Criticar de fora é hipocrisisa..”

4- ” Eu entendo a sua causa, mas eu não acho que não frequentar nenhuma igreja pode ser visto necessariamente como um “extremo maléfico”. Eu acho que pode ser várias coisas, entre elas uma necessidade tremenda de auto-provação, mas algumas pessoas optam por isso tb para se auto-preservar ou até mesmo pra poderem finalmente deslanchar na comunhão com Deus e com outras pessoas porque eu, na minha experiência de vida só conheci uma igreja (entra tantas e tantas que eu conheci) que permitia uma união real com Deus todas as outras só distanciavam mais as pessoas da verdade de Deus, cortavam as asas, enquadravam as pessoas em lugares escuros e restritos onde ela pensa que tem liberdade, mas na verdade está sendo corrompida e controlada por idéias antiquadas e repetitivas.”

1- ” Alguns termos que vc citou acima “auto-provação e auto-preservar” são coisas que jamais li em qualquer livro bíblico. Mas li sobre pessoas que era provadas pelas tribulações e pecados e também que se entregavam completamente sem reservas ao seu chamado de ser igreja (é preciso lembrar de Paulo que escreveu mais cartas a muitas igrejas com muitos problemas e que jamais desistiu delas, inclusive morreu nesse processo). Acredito na sua frustração com a igreja mas não conseguiria acreditar num evangelho de Reino de Deus, que inclui, invariavelmente uma igreja (cheia de problemas até mesmo antes de ser igreja como entendemos)-lembra e Ananias e Pedro?- quando fosse pregado por alguém que não acredita na igreja e simplesmente abre mão dela, porque não te permite ser “livre” dentro da terminologia individual. Não defendo uma causa, mas sim a idéia de que a igreja é parte importante da vida cristã, pois justamente nos desafia a lidar com pecados (nossos e alheios), nos faz abrir mão de que entendemos hj como liberdade (individualismo) em proll da comunidade e escolhemos andar junto na diversidade e adversidades que há na igreja. Não consigo ver como, o fato de vc estar fora da igreja , possa ajudar a igreja a ser melhor…Sobre relacionamento pessoal com Deus, não é de fato na igreja que deve começar. Porém uma vez havendo esse relacionamento pessoal estreitado, não há dúvida que termina na igreja-Corpo de Cristo onde tudo se ajuste para o bom funcionamento. Se o “tudo” não estiver lá, não haverá bom funcionamento. Isso vale para pessoas  que sairam e pessoas que jamais entraram…Concluímos então que a culpa da igreja ser como é, de fato é de quem?

4- “Entendi tudo, só acho que a gente deveria fazer então uma diferenciação de termos. Quando usarmos o termo “igreja” é para aquela conexão que falamos anteriormente e podemos usar “instituição cristã” pra isso que vc está defendendo com tanto interesse. Destaca-se que “igreja” é aquilo que Jesus falou na bíblia, “instituição cristã” é aquela coisa inventada pelas pessoas até antes mesmo de Jesus nascer e intensificado depois que ele morreu baseada na necessidade de ser sempre igual, na vaidade, no poder e no controle. Realmente não vejo motivo nenhum pra sustentar isso. Acho que algo dessa natureza se deixasse de existir só traria benefícios aqueles que pretender seguir no Amor que Jesus ensinou. A salvação da instituição cristã está na sua abdicação e transendência. É preciso mudar pra crescer.

1- Certo, deixa eu entender isso que vc escreveu:
– vc diz que a instituição cristão, da qual vc afirma que é controladora, vaidosa e sempre igual, que foi inventada por homens, que foi criada antes de Cristo e intensificada depois de sua morte/ressureiçao, essa não merece o termo igreja, pois esse termo refere a conexão entre pessoas. Seria melhor se ela inclusive terminasse, porque de fato ela atrapalha o crescimento espiritual do indivíduo. é isso?
-Com essa afirmação vc esta dizendo, em outra palavras, o seguinte: O novo testamento é uma mentira, já que 80% dele fala exatamente dessa igreja problemática e cheia de divisão em si mesma, sem estabilidade e cheia e veneno. Porém com pessoas dentro dela que exortam sobre a necessidade de mantermos o amor estando dentro dela. Como quando se ama o cônjuge mesmo quando o casamento anda ruim…não há espaço para a separação..se o homem inventou a instituição, foi Deus quem fez o homem e Jesus o justificou. A instituição quando regida por homens de Deus, só poderá revelar Deus! Por outro lado um conexão espiritual sem dogmas, rumará para um outro conjunto de dogmas, feitos por homens, que se forem regidos por Deus, revelarão Deus….pela lógica desse raciocínio, naturalmente até mesmo essa conexão, pode ser corrompida pelo homem certo? então sair da instituição para se conectar com Deus numa outra coisa a que vc chama conexão é refazer o caminho que levou a instituição a falência…por isso sugeri a pergunta acima: e quem é culpa afinal? além disso tanto tabernáculo, quanto templo e depois igreja, foram coisas inspiradas por Deus…por isso segue o mesmo padrão…
Mas concordo com sua última afirmação:” A salvação da instituição cristã está na sua abdicação e transendência. É preciso mudar pra crescer”. É por isso que estou nessa instituição.Acredito que ele pode mudar e crescer.Mas não acredito que ela fará isso sem o corpo com um todo….

 

É possível que após eu postar esse diálogo , ainda haja continuação dele…de qualquer forma , meu desejo de expor esse debate é trazer a tona o tema: quem deixou a igreja ser o que é hoje?! os pastores mentirosos ou as ovelhas indiferentes!?  o ambos?ou ninguém?!  Se foi sempre assim ou se tudo mudou de um tempo pra cá…seo que falta é amor ou disciplina em ambos? … fique a vontade para comentar ….





Meu Deus é o que?!

26 01 2011

Esta semana me peguei outra vez pensando o que penso de tempos em tempos com um certo espaço entre cada vez que penso: Porque o que faço como artista não me trás a estabilidade que todo mundo nessa vida gostaria de ter: estabilidade finaceira! Exatamente no momento em que acabo de lançar meu sexto cd, que tem sido recebido com grande entusiasmo por todos que o ouvem, e que ando recebendo tantos elogios sobre meu talento e como minhas músicas são “uma bencão” na vida de alguns, nesse exato momento, estamos passando (eu e minha esposa) por mais um momento de completa escuridão acerca de nosso futuro e sem idéia de como será pago nosso próximo aluguel. Nesse exato momento não sabemos se vamos ficar nesse apartamento, nessa cidade ou na igreja em que trabalhamos nesse últimos dois anos (igreja onde iniciei mina caminhada cristão em 2004). Não porque queremos sair mas por que talvez sejamos convidados e sair, simplesmente por um incompatibilidade de idéias: um acha que o chamado de Deus é mais importante e o outro afirma que não escandalizar os “irmãos” é mais importante…

Meus sexto cd! Incrível como Deus faz as coisas. Eu sempre achei que depois que eu gravasse meu primeiro cd, eu estaria aos poucos, subindo os degraus da fama e estrelato e cada vez mais com um poder financeiro maior, o que me daria a oportunidade de fazer, ou ter coisas. De certo que essa não é minha realidade. Chego ao sexto cd nas mesmas condições financeiras de quanto gravei o primeiro. Na verdade é possível que esteja até pior! Levando em conta nossa vida missionária (dependendo de ofertas voluntárias) e o fato que, depois que iniciarmos nosso trabalho na igreja, sobraram alguns poucos entre os que já eram poucos que nos sustentavam com essas ofertas, e ainda, que a igreja, no momento também não tem mais “interesse” em pagar nosso aluguel, posso afirmar seguramente que nossa vida é milagre! Você pode dizer: “ah mas você tem os cds pra vender e certamente toca de vez em quando por ae e isso dá alguma grana certo!?” certo! mas em termos de lucro, meus cds não me garantem muito, pois grande parte do valor de cada cd, vai para os parceiros que ajudaram a gerar os cds, um vira recursos para fazer mais cópias. E graças a Deus pelas vezes que toco por ae. Se não fosse isso estaria comendo o que?!

Então as vezes me pego pensando nisso: ” Por que não pode ser como imaginei?! por que não posso ter o que quero hoje? se o que eu faço é tão bom?” Por que não posso ter grana!?!?  Nessas horas eu me sinto extremamente capitalista e  com vontade de nadar numa piscina de dinheiro como o Tio Patinhas faria. Me torno egoísta e dono do meu talento como se fosse eu que o inventei. Passo a me auto-ortorgar dono dos meus direitos. Enfim, me torno mais como Adão e menos como Cristo…

Como em todas as vezes que pecamos, preciso de um tempo para me arrepender novamente do mesmo pecado (apesar de a teologia afirmar que uma vez que pecamos e nos arrependemos, não pecamos mais o mesmo pecado mas sim outro pecado idêntico)- não creio assim! é sempre o mesmo pecado! O desejo de trocar de Deus: tirar o Deus da graça, humildade, amor, e submissão, e trocar pelo deus da pretensão, egoísmo, mentira e auto afirmação: a saber o Deus Dinheiro.  Esse que se diz Deus acima de tudo e todos e convence alguns a segui-lo e a outros, induz ao erro de achar que é o Deus cristão (único Deus) e  ainda a outros que usam a imagem do Deus cristão para pregar o Deus Dinheiro.  Igrejas do Deus Dinheiro, bandas do Deus Dinheiro, livros sobre o Deus Dinheiro, congressos para o Deus Dinheiro, sacrifícios humanos para o Deus Dinheiro e claro, cultos, muitos cultos para ele….

Como artista, sou quase sempre tentado a seguir esse Deus. Ele tenta me convencer que todas as minhas lamúria citadas acima, não vão me levar a nada. Que sou idiota por achar que esse é o caminho certo – o caminho estreito. Que estou passando privações desnecessárias e que devia cantar músicas para ele, falar dele e adorá-lo! Que o Deus que acredito é um mito. Que devo parar de sofrer e viver um vida socio-econômicamente plena . Mas ae a lucidez me desperta! Não tenho tudo que quero mas sim tudo que preciso hoje! Apesar de não poder saber de onde virão as provisões de cada mês, elas sempre vieram. E mais! Gravei seis cds e muitas pessoas mundo afora estão ouvindo….e algumas se abrem para o Deus cristão. Faço e vivo coisas loucas para esse mundo. Tenho irmãos em muito lugares e lares pelo mundo afora. Tudo isso sem ter dinheiro! hahahahahahahaha!! Então por que iria eu querer dinheiro!?! Tenho todo o resto pelas mãos do Deus cristão! AH! inclusive se eu “precisar” Ele me dá dinheiro também! Trocar tudo isso por um Deus Dinheiro é uma decisão mais idiota do que minhas própria lamúrias….. nessa hora é o que demônio que insiste em querer habitar em mim (ele vive em meu ombro e as vezes sopra coisas em meu ouvido), ele fica louco, porque é um enviado do Deus Dinheiro! ele começa a querer gritar comigo, apontar fatos e coisas materias…mas ae já tarde…sei que o preciso fazer: Exorciza-lo! certamente que não irei a nenhuma dessas igrejas que se dizem especialistas em “tirar demônios”, pois desconfio que essas sejam igreja do Deus Dinheiro… mas faço aquilo que o Deus cristã me diz pra fazer e me da tudo que preciso pra fazer: música!!  Então canto tão alto e confiante que o demônio ao pé do meu ouvido cai e já não escuto seus comentários…e o Deus Dinheiro se irrita comigo e quer cuspir na minha cara. Mas sua boca está seca pois foi desmascarado de novo! E eu outra vez, salvo pela luz da verdade, caminho confiante pelo vale das trevas pois o Grande poder que o universo não pode conter, cabe agora dentro do meu peito, pois veio e fez morada em mim e eu fiz morada nEle….

Nesse momento nasce uma cancão…que agora compartilho com todos..





Porque igreja!?

16 01 2011

Uma das coisas mais importantes para um cristão é se envolver com a igreja. Todo evangelismo, toda obra missionário, qualquer movimento que revele Jesus, só tem sentido se abre espaço para indivíduos serem parte do corpo de Cristo.

Tenho ouvido de muitas pessoas que, machucadas com a igreja, afirmam que não querem mais saber dela e que o mais importante é ter comunhão com Deus. Apesar disso soar bem aos ouvidos, existe algo mal resolvido nessa afirmação. Elas alegam que a igreja primitiva era assim e portanto não há problema nisso. Mas se evoluímos mal no padrão eclesiástico, seria a solução apenas retrocedermos? Se uma casa começa a ruir, devemos voltar a morar em cavernas?

Afinal e contas, porque a igreja está indo de mal a pior? Todas as pessoas não cristãs com quem converso sobre o tema fazem essa perguna. Minha resposta é quase sempre a mesma: “a igreja está muito ruim porque você não esta lá”! Quando essa mesma conversa é com algum cristão sua réplica é: “ mas eu tentei, fiz o que pude mas no fim não teve jeito, não deu mais para aguentar”. Mas será que essas tentativas levam à cruz ou a lavar as mãos como Pilatos?

Recentemente minha igreja me tirou do ministério de louvor e também cortou nosso sustento. A razão é meu ministério fora, com músicos que tocam na noite. A oferta foi que eu parasse com meu ministério na noite e em troca seria líder do ministério de louvor, ganhando uma boa grana. Proposta tentadora se não fosse uma coisa: meu chamado é inegociável! como trocar o chamado de Deus por qualquer outra coisa? Então passei  a ser apenas mais um membro da igreja.

Com todo talento que Deus me deu, isso é estranho, afinal, deveria ser da minha igreja o reconhecimento maior certo? errado! Isso é motivo suficiente para sair da igreja certo? errado de novo! É nesse ponto que algumas pessoas citam Lutero ou John Wesley que saíram da igreja para entrar na história. Mas ae entram as diferenças. Eles não queriam sair da igreja. Na verdade saíram porque estavam lutando para fazer uma igreja melhor. Saíram porque foram impedidos de continuar. Não foi escolha deles. E quando saíram acabaram fazendo o que? uma outra igreja! (ATENÇÃO! não estou dizendo pra você abrir outra igreja se a sua não está como você gostaria!). Eles sabiam que nada mais faria sentido se não houvesse “igreja” no contexto. Pode até ser que começaram fazendo grupos pequenos em casas e multiplicaram aos montes.Mas no fim, igreja.

É claro que hoje nas rodas dos escarnecedores a conversa sempre é que a igreja é um lixo, que não presta, que só quer dinheiro.. Sim! ela é uma prostituta mas ainda é a noiva de Cristo.(lembra de Oséias?) É essa prostituta que Ele vem buscar no fim. E a pergunta que talvez Ele fará para nós é: porque você não cuidou melhor dela? a gente tem uma tendência de achar que essa pergunta será feita apenas para pastores e líderes da igreja.  E quanto a nossa parte? nós cuidamos dessa prostituta imunda ou cuspimos nela? largamos as pedras no chão ou atiramos com forca e presunção em seu corpo magro e debilitado? talvez simplesmente demos as nossas costas e saímos, desejando jamais voltar a vê-la. Quando saímos nosso lugar é ocupado pelo vazio ou pelas trevas. No fim da na mesma. A noiva de Cristo se torna a namorada do diabo. Você sabe de quem é a culpa. Se não sabe, procure um espelho mais próximo….

Nós precisamos reagir! o maior campo missionário que existe hoje é a igreja! como tem gente perdida lá! O cristão que não se envolve com a igreja está exercendo seu direito à hipocrisia. Porque no fim pregamos uma mentira! apontamos o dedo pra Deus, que aponta pra Jesus, que aponta pra igreja. Para onde irão os que se arrependem? para uma célula? para missões? para congressos teológicos? não…seu lugar é a igreja. Quem vai estar lá para recebê-los? os fariseus e mestres da lei ou os discípulos de Jesus?

A igreja não tem a obrigação de entender meu ministério. Mas eu tenho a obrigação de ser igreja. Não posso sair a menos que me expulsem. Enquanto isso não acontece,eu serei a pedra de edificação ou tropeço, eu estarei com os novos convertidos, discipulando e pagando o preço, eu lutarei por uma igreja sã e pura! os incomodados que se retirem e os compromissados que permaneçam!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 





2011 razões para escrever.

4 01 2011

OLá!

Acabei de receber m email do wordpresse com estatísticas sobre meu blog. Baseado na quantidade de visitas constataram que foi “fantástico”! Fiquei surpreso porque faz um bom tempo (desde julho) que nem sequer dou as caras por aqui. Sim, um pouco foi preguiça minha. Mas pra dizer a verdade 2010 foi como aquela coceira de ferida que esta cicatrizando. É Gostoso coçar só que na verdade é um prazer misturado com dor e quando vc consegue soltar um pouco a casca, fica louco para tirá-la de uma vez, mesmo sabendo que vai doer um pouco mais e isso atrapalha o processo de cura plena.

Em 2010 tive muitas chances de aprender coisas interessantes sobre a vida. Nem todas essas chances eu aproveitei. Mas acho que no fim das contas deu tudo certo. Consegui lançar meu quarto Cd, mesmo sem ter uma banda pra divulgar e muito menos estar tocando por ae, consegui gravar ainda um outro Cd que será lançado daqui a alguns dias, comprei uma guitarra semi-acústica e um porção de livros legais. Fizemos, eu e minha esposa, um viagem a Berlim que foi muito especial para nós. Também pude descobrir que não sou um marido tão bom quanto imaginava que era, mas com um pouco mais de humildade tenho chance de me tornar. Percebi que minha esposa é cheia de defeitos que não gosto mas que isso nunca diminuiu ou diminuirá meu amor por ela e jamais será motivo para um separação, apesar de termos, em momentos muito, muito duros, falarmos sobre coisas assim. Pude ver também que o trabalho na igreja é um saco quando as pessoas não se comprometem e que se você insite em fazer o que é certo, certamente será caluniado e pagará caro por isso. Este ano nossa igreja tirou de nós o sustento, não reconhecendo mais nosso trabalho como missionário. Nosso pastor (que sempre esteve do noso lado) foi transferido para outra cidade e agora, não sabemos ainda como vamos pagar o aluguel de fevereiro. Nosso casamento passou por coisas muito pesadas e difíceis e muitas coisas que sonhamos ficaram em sonhos…por enquanto…

Falando em coisa pesadas, este ano comecei com 20 kg acima do meu peso! O inverno seguido de nossa viajem a Berlim e mais toda ansiedade  causada pela coisas acima citadas, me deixaram mais “espaçoso” . Agora como a maioria das pessoas começo o ano fazendo promessas a mim mesmo do tipo -” vou perder esse quilos até o carnaval” e -“nunca mais vou deixar isso acontecer”…rsrs..

Bom uma coisa é certa: Vou escrever mais. Eu gosto de escrever e compartilhar minhas impressões e devaneios. Fico impressionado com também tem pessoas que gostam de ler o que escrevo. Então a Lella me meu uma sugestão interessante: escrever algo pelo menos uma vez por semana, numa espécie de “diário de músico”. Até já pensei no nome: “Diário D. Distler. Isso vai me motivar a escrever mais no blog e também organizar melhor meus pensamentos.

Então..nos vemos em 2011!!

 





Homofobia: medo ou conflito de valores?

3 06 2010

Estive de passagem por  São Paulo há dias atrás. Como  de costume peguei o metrô para me locomover com maior agilidade e conforto. Uma viagem de cerca de 30 minutos entre Sacomã e República. Já eram umas 23:00 quando eu e minha esposa saímos do metrô rumo ao nosso destino quando tivemos a chance de ver uma cena cada vez mais comum: vários jovens, a maioria garotos entre 18 e 25 anos se encontravam na saída do terminal e entre outras coisa, trocavam beijos e carícias típicas de casais apaixonados. Seria uma cena tradicionalmente simples se não fosse o fato de esses beijos e carícias serem entre pessoas do mesmo sexo!

Isso não é mais uma novidade. Não precisamos mais estar em guetos alternativos ou becos escuros para presenciar aquilo que se tem dado o nome “liberdade sexual”. De fato, a revolução sexual começou com a filosofia ateísta;  os tais filósofos ateus como Heidegger, Marcuse, Shoppenhauer, Feuerbach, Nietsche, Marx, Engels, Freud e companhia. Um desses, Herbert Marcuse, um judeu alemão, foi um influente sociólogo e filósofo alemão naturalizado norte-americano, pertencente à Escola de Frankfurt. Ele escreveu um livro chamado “Eros e Civilização”em 1955, que deu partida à Revolução Sexual. É um livro que já está na sua 19ª edição e que é muito lido por jovens universitários. O resultado óbvio dessa “revolução” pode ser conferido hoje em todos os lugares e de forma bastante explícita. O homossexualismo foi a última fronteira a ser transposta.

No brasil, recentemente foi aprovada a lei contra a homofobia. Essa lei tem como ponto central a idéia de punir qualquer tipo de violência contra homossexuais. Mesmo com toda a liberdade que a revolução sexual possibilitou, não havia ainda nenhum meca-nismo legal a favor dessa liberdade e contra quem fosse contrário a ela. Infelizmente muitas pessoas, por não saberem lidar com as diferenças, por preconceito ou puro medo,  investiram pesado contra os homossexuais de forma brutal e discriminatória. Porém existem também aqueles, cujo os valores éticos e morais não condizem com a idéia de um relacionamento sexual entre 2 pessoas do mesmo sexo. Nesse caso, não é por medo ou preconceito, mas por terem parâmetros diferentes sobre o prazer e a satisfação. Mesmo sendo casos diferentes, a lei uma vez estabelecida se aplica a todos. Recentemente um pastor na Inglaterra  foi preso por ler em praça pública algumas passagens do livro de Romanos que citam o homossexualismo como pecado. Ficam as perguntas: isso foi um ato de preconceito ou de expressão religiosa? como agir sem correr o risco de ser preso ao mesmo tempo em que se expressa os seu valores? é possível hoje, se dizer contra o homossexualismo sem ser alvo de preconceito?

Eu tenho alguns conhecidos que são homossexuais. Além disso já tive a chance de conversar com vários gays e lésbicas e posso dizer que todos são muito queridos. Se o problema com eles é o pecado da homossexualidade, muito mais em mim o pecado     chamado de “trave no olho” por Jesus no sermão do monte (MT 7:3). Não é porque são homossexuais que devo tratá-los como monstros. É preciso ter em mente que devemos odiar o pecado mas amar o pecador. Esse é o modelo de Cristo para nós.

Apesar da recente liberdade, o homossexualismo não é nenhuma novidade no mundo. Desde o início fez parte dos costumes carnais dos homens. Civilizações inteiras não só aprovavam como também incentivavam o homossexualismo, tendo na relação sexual entre homem e mulher, um mero ato de procriação.

Em Gênesis temos o relato de como o homossexualismo esta ligado há uma nação cheia de maldade e como Deus abomina lugares assim (Gn 19:4,5). Em Levítico temos um bom argumento contrário a revolução sexual, onde tudo é permitido. No versículo 13 do capítulo 20 Deus aponta o homossexualismo abominável e digno de morte (Lev.20:13).  No livro de Romanos temos uma clássica passagem apontando o homossexualismo como algo impuro: “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro” (Romanos 1:26-27).

Mesmo com referências bíblicas que apontam esse pecado, hoje temos até igrejas para homossexuais, não para pregar o arrependimento desse pecado, mas para a aceitação dele. Isso ilustra a passagem de  2Tim.4: 3,4 onde Paulo fala sobre como haveriam no fim dos tempo, pessoas que não suportariam a sã doutrina e procuraram mestres para seus próprio ouvidos.

Se por um lado existem igrejas para homossexuais, por outro as igrejas tradicionais tem um grande dificuldade de lidar com homens e mulheres que se arrependem do homossexualismo. Conheci um rapaz em Pompéia-SP, que havia se convertido há 6 meses na igreja Holliness. Ele tinha sido um travesti e agora buscava um vida plena em Cristo. Devido ao pouco tempo de caminhada, era claro ainda os traços efeminados nele, mas também o desejo de ser um homem de Deus. Infelizmente a igreja, apesar de recebê-lo, mostrava um certo receio de se relacionar com esse rapaz. Ele confessou pra mim que se sentia rejeitado pela maioria mas que nada iria impedir seu crescimento com Cristo.

Mas há também igrejas realizando trabalho muito muito sério em relação aos homossexuais. A Vinyerad Capital-SP, adotou um sitema de grupo pequeno antes do culto para  homens e mulheres que se arrependeram de seu pecado sexual. O grupo funciona como um lugar para desabafar as dificuldades da mudança, as lutas e poderem, além de compartilhar, orar uns pelos outros. Muitos tem procurado ajuda para tratar desse desvio de moral. O processo de mudança começa na aceitação do problema. O homossexualismo pode não ser uma doença, assim como a prostituição ou o orgulho, porém nasce na escolha de cada um de ser como se é.

Algumas pessoas defendem a idéia de que o homossexual não tem escolha porque nasce com mais hormônios do sexo oposto e por isso, possuem uma pré disposição sexual à pessoas do mesmo sexo. Isso já foi até provado cientificamente. De fato não podemos negar essa realidade. Mas nos atear a idéia de que por isso o indivíduo deva ser homossexual torna a realidade distorcida para acomodar o desejo natural do homem ao pecado. Se esse excesso de hormônios é uma anomalia (subentenda como algo fora do padrão), deveria ser encarada como tal e buscar dentro da medicina, maneiras de minimizar seus efeitos cola-terais, da mesma forma que se faz , por exemplo, com pessoas que nascem com deficiência de cálcio ou excesso de cartilagem. Além disso, conheço pessoas que tem visivelmente traços femininos (homens) ou masculinos (mulheres) mas que não são homossexuais. São  pessoas casadas e felizes sem nunca terem tido qualquer experiência homossexual por causa dessa disfunção hormonal. Portanto, usar esse argumento para defender o homossexualismo é notoriamente equivocado.

Também pode-se dizer que Deus quis que o indivíduo fosse desse jeito e devemos aceitar esse fato. Esse argumento também se perde pelo simples fato de sabermos que, apesar de Deus ser o Provedor da vida, a forma como essa vida vai se desenvolver depende muito do meio ambiente em que se dará essa vida. Por exemplo, não podemos culpar Deus pelas crianças que nasceram com câncer em Hiroshima depois da bomba nuclear ter sido lançada ou pelas crianças que morrem na África por desnutrição. De mesma forma, normalmente os homossexuais sofreram algum tipo de abuso na infância. Pode ter sido sexual ou de poder. Tenho uma amiga lésbica que discorda de mim nesse ponto, afirmando que nunca sofreu qualquer abuso desse tipo. Porém em nossas conversas eu pude saber que em sua infância, ela morou com sua mãe e sua vó. Tanto a mãe como a avó haviam se separado de seus maridos de forma traumática e durante muito anos a conversa dentro de sua casa era de que homens não prestavam e que se envolver com um homem era a pior coisa que uma mulher pode fazer. O resultado disso na vida dessa minha amiga foi uma aversão natural aos homens. Mas também conheço pessoas que foram abusadas sexualmente quando crianças e ainda outras que chegaram a ter uma vida homossexual e se arrependeram por que entendiam isso como um pecado. Essas pessoas hoje são casadas, com filhos e vivem uma vida plena mesmo que em seu passado sofreram com a distorção de valores em suas vidas. Portanto o meio ambiente não pode ser desculpa para nossas atitudes.

Finalmente tiramos as máscaras que escondem o pecado. Se o excesso de hormônios pode ser uma doença que podemos escolher tratar ou não e o meio ambiente não pode ser um desculpa para nossa atitudes, fica claro aqui que ser homossexual é uma escolha baseada no desejo pecaminoso do coração ( Jr 17: 9,10). O homossexualismo é um pecado como qualquer outro e a única maneira de lidar com ele é reconhecer isso e buscar o Senhor para ajudar a vencer essa batalha. Somente assim pode ser possível obter a vitória nessa área. Todos os homossexuais que conheço têm em si, por trás de toda a sua alegria e orgulho por sua condição aceita, um vazio no fundo de sua alma, que ele recusa a admitir, mas que seus olhos denunciam francamente. E aqueles que reconhecem esse vazio não sabem exatamente do que se trata mas confessam uma insatisfação interna sem fim. Para esses, resta darem passos até a cruz de Cristo para poderem trocar seus fardos.( Mt 11: 27,30)

Sofremos hoje com o apelo sexual e o relativismo, onde “verdades” se multiplicam à medida em que nosso desejos carnais aumentam. A cura para todos os pecados está em reconhecer Jesus Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas. Ele é a única verdade e conhecê-lo, é o caminho para uma vida livre e plena (Jo 14:6). Não precisaremos mais de leis quando a verdadeira lei do amor estiver escrita em nosso corações (Gal 5: 22,23). O fruto que o amor produz permanece para sempre. O verdadeiro amor não é aceitar o homossexualismo, mas aceitar os homossexuais como irmãos que vivem no pecado e orar para que possam realmente conhecer a Cristo e terem sua vida transformada por Ele. A verdadeira cura para o homem está na aceitação de sua pior doença, a saber o pecado.






Como crack!

20 04 2010

Depois de um bilhão de anos estou retomando o blog….para os que acompanharam mil deculpas…

Recomeço com este estudo sobre pornografia que achei bem interessante. Talvez não seja oseu problema masvale a pena ler e talvez indicar para alguém…

Sequestrando o cérebro – como a pornografia funciona

Estamos rapidamente nos tornando a sociedade pornográfica. Durante o curso da última década, imagens explicitamente sexuais se infiltraram lentamente nos anúncios comerciais, no marketing e praticamente em todo vão da vida americana. Essa pornografia de ambiente está agora em quase todos os lugares, desde o shopping mall local ao horário nobre da televisão. Pelos cálculos de alguns, a produção e venda de pornografia explícita agora representam a sétima maior indústria dos Estados Unidos. Novos vídeos e páginas de internet são produzidos a cada semana, com a revolução digital trazendo um grande número de novos sistemas de distribuição. Toda nova plataforma digital se torna uma oportunidade de marketing para a indústria pornográfica.

O que não é surpresa para ninguém é que a vasta maioria daqueles consumidores de pornografia são homens. Não é nenhum segredo de comércio que as imagens visuais, quer fotos ou vídeos, estimulam muito os homens. Isso não é nenhum avanço novo, conforme atestam antigas formas de pornografia. O que é novo é o acesso em toda parte. Os homens e meninos de hoje não estão olhando para quadros desenhados em paredes de cavernas. Eles têm acesso quase que instantâneo a inumeráveis formas de pornografia numa grande quantidade de formas.

Mas, enquanto a tecnologia tem trazido novos meios para a transmissão da pornografia, o conhecimento moderno também traz uma nova compreensão de como funciona a pornografia no cérebro masculino. Embora essa pesquisa não faça nada para reduzir a culpabilidade moral dos homens que são consumidores de pornografia, ajuda a explicar como o hábito acaba viciando tanto.

Como explica William M. Struthers da Faculdade Wheaton, “os homens parecem ter sido feitos de tal maneira que a pornografia sequestra o funcionamento adequado de seus cérebros e tem efeito de longo prazo em seus pensamentos e vidas”.

Struthers é psicólogo com formação em neurociência e especialidade de ensino nas bases biológicas da conduta humana. No livro Wired for Intimacy: How Pornography Hijacks the Male Brain (Programado Para a Intimidade: Como a Pornografia Sequestra o Cérebro Masculino), Struthers apresenta percepções fundamentais da neurociência que fazem uma longa explicação do motivo por que a pornografia é uma tentação grande para a mente masculina.

“A explicação mais simples da razão por que os homens veem pornografia (ou procuram prostitutas) é que eles são levados a procurar intimidade”, explica ele. O impulso para obter intimidade sexual foi dado por Deus e é essencial para os homens, reconhece ele, mas é facilmente mal direcionado. Os homens são tentados a buscar “um atalho para o prazer sexual por meio da pornografia” e agora acham que dá para se acessar esse atalho com facilidade.

Num mundo caído, a pornografia se torna mais do que uma distração e uma distorção da intenção de Deus para a sexualidade humana. Torna-se um veneno viciador.

Struthers explica:

“Ver pornografia não é uma experiência emocional ou fisiologicamente neutra. É fundamentalmente diferente de olhar para fotos em preto e branco do Memorial Lincoln ou olhar um mapa colorido das províncias do Canadá. Os homens são reflexivamente atraídos para o conteúdo de material pornográfico. Como tal, a pornografia tem efeitos de grande repercussão para estimular um homem à intimidade. Não é um estímulo natural. Atrai-nos para dentro. A pornografia é indireta e voyeurística em sua essência, mas é também algo mais. A pornografia é uma promessa sussurrada. Promete mais sexo, melhor sexo, infinito sexo, sexo conforme os desejos, orgasmos mais intensos, experiências de transcendência.”

A pornografia “atua como uma combinação de múltiplas drogas”, explica Struthers. Conforme afirma o Dr. Patrick Carnes, a pornografia é “um relacionamento patológico com experiência de alteração do humor”. O tédio e a curiosidade levam muitos meninos e homens a experiências que se tornam mais como vício de drogas do que muitas vezes se admite.

Por que os homens em vez das mulheres? Como explica Struthers, o cérebro da mulher e do homem são feitos de forma diferente. “O cérebro de um homem é um mosaico sexual influenciado por níveis de hormônio no útero e na puberdade e moldado por sua experiência psicológica.” Com o tempo, a exposição à pornografia leva um homem ou menino mais profundamente “numa superestrada neurológica de mão única em que a vida mental de um homem fica restrita a uma sexualização excessiva. Essa superestrada tem inúmeros acessos de entrada, mas muito poucas saídas”.

A pornografia é “visualmente magnética” para o cérebro masculino. Struthers apresenta um exame fascinante da neurologia envolvida, com hormônios de prazer sendo conectados e liberados pela experiência de um homem vendo imagens pornográficas. Essas experiências com pornografia e hormônios de prazer criam novos padrões na programação do cérebro, e experiências repetidas formalizam a programação.

E, então, nunca acaba. “Se eu tomo a mesma dose de uma droga repetidas vezes e meu corpo começa a tolerá-la, precisarei tomar uma dose mais elevada da droga a fim de que tenha o mesmo efeito que tinha com uma dose mais baixa na primeira vez”, recorda-nos Struthers. Por isso, a experiência de ver pornografia e praticá-la cria uma necessidade no cérebro de mais e mais, só para alcançar o mesmo nível de prazer no cérebro.

Enquanto os homens são estimulados pelas imagens sexuais do ambiente ao redor deles, a pornografia explícita aumenta o efeito. Struthers compara isso à diferença entre a televisão tradicional e as novas tecnologias de alta definição. Tudo é mais claro, mais explícito e mais estimulante.

Struthers explica isso com força e persuasão: “Algo sobre a pornografia influencia e arrasta a alma masculina. A influência é fácil de identificar. A forma da mulher nua pode ser hipnotizante. A disposição de uma mulher de participar de um ato sexual e expor sua nudez é sedutora para os homens. A consciência da própria sexualidade, o desejo de saber, experimentar algo como bom brota do profundo lá de dentro. Uma imagem começa a ficar maior em importância quanto mais a olhamos, ganhando força máxima e podendo chegar a um ponto em que nos sentimos como se estivéssemos num caminhão sem freios descendo uma montanha.”

Wired for Intimacy é um livro oportuno e importante. Struthers oferece perspectivas profundas e estratégicas da neurobiologia e psicologia. Mas o que torna esse livro realmente útil é o fato de que Struthers não deixa seu argumento para a neurociência, nem usa a categoria de vício para suavizar a pecaminosidade de ver pornografia.

Os pecadores naturalmente procuram um jeito de esconder seu pecado, e a causa biológica é muitas vezes citada como meio de evitar responsabilidade moral. Struthers não permite isso, e sua perspectiva da pornografia tem base bíblica e teológica. Ele responsabiliza o pecado de ver pornografia naqueles que voluntariamente se tornam consumidores de imagens explícitas. Ele conhece sua audiência – afinal, suas aulas são cheias de estudantes universitários do sexo masculino. O viciado é responsável por seu vício.

Ao mesmo tempo, qualquer compreensão de como o pecado opera seu mal enganador é uma ajuda para nós, e entender como a pornografia atua na mente masculina é um conhecimento poderoso. A pornografia é um pecado que rouba Deus de Sua glória no presente do sexo e sexualidade. Há muito sabemos que o pecado faz reféns. Conhecemos agora outra dimensão de como esse pecado sequestra o cérebro masculino. Conhecimento, como dizem, é poder.






filmes brasileiros.

10 11 2009

Esta semana teve uma promoção, que acontece anualmente, do cinemark. Filmes brasileiros por R$ 2,00. Ainda uma pipoca pequena e um suco pelo mesmo preço.

Havia dias que estávamos esperando este a promoção. Eu Lella gostamos muito de ver filmes. Com o passar do tempo aprendemos a apreciar os filmes brasileiros. Em nossa lista constam os mais conhecidos como: O que é isso companheiro, O homem que copiava, Meu tio matou um cara, Olga, Cidade de Deus, Carandiru, Tropa de elite, Cazuza, Central do Brasil, Auto da compadecida, até os mais desconhecidos pelo público geral: O dia em que meus pais saíram de férias, Cinema, urubus e aspirinas, Batismo de sangue, Madame satã, Casa de areia, um copo de gelo e dois dedos d’água….. tem outros que me fogem a memória agora mas que se incluem na lista, não menos importantes e saborosos, mas em anonimato forçado por meu cérebro.

Comentamos com algumas pessoas nossa espera pelo dia da promoção e como estávamos animados com a possibilidade de vermos alguns longas brazucas por um preço tão pequeno. Notei que a maioria das pessoas torcem o nariz para filmes brasileiros. No geral comentam: -ai! não gosto de filmes brasileiros. Tem muito apelo sexual, ou muita violência gratuita e normalmente a trama não tem qualidade. Está muito atrás dos filmes americanos…(!) Apelo sexual? violência gratuita? enredo fraco?! não são basicamente essas coisas que os filmes americanos produzem?!

Cheguei a conclusão que nós estamos tão acostumados a comer Mac’Donalds que preferimos pagar o olho da cara por eles do que pela metade do preço comer uma boa feijoada de sábado no buteco do zé. Simplesmente por que cremos que é sujo, mal frequentado (como se o Mac’Donaldol não fosse). ah! mais o preço né..muito barato…da pra desconfiar da procedência. Melhor o cuspe caro que água de graça.

Estranhamente nos apegamos a idéia da pornochanchada da década de 70. Naquele tempo não se podia fazer filmes com inteligência porque a censura vetava. Criou-se uma prisão mental da qual muitos ainda hoje estão presos. Adoramos as novelas que enchem o horário nobre com um monte de porcarias (dizem que é apenas o reflexo de nós mesmos), vibramos com a música pop enlatada vendida as montes nos países de terceiro mundo (nessa lista estão o gospel, o brega, o pagode genérico e a música gringa para viciados em anfetamina). Deliramos com os programas cópias gringas com se nós os tivéssemos inventados. Pobre dos filmes brasileiros que tentam respirar nesse mar de lama…

Os brasileiro se esqueceram de quem eram antes da ditadura. Se esqueceram da tropicália, da mpb raíz, do cinema psicodélico de 67… de fato a ditadura fez de nós meros consumidores de qualquer coisa que nos dêem, contanto que seja fácil mastigar e engolir.

Bom, desabafo a parte, fomos ao cimena e felizes da vida, gastando apenas R$ 16,00 reias os dois, com pipoca e tudo, vimos dois fimes: Budapeste (adaptação do livro de Chico Buarque) e Jean Charles ( baseado na história real do brasileiro morto em Londres, confundido com um terrorista).

Palavras ficam confusas pra tentar explicar a sensação de assistir Budapeste. Tem uma coisa em sua trama que fica martelando na cabeça mesmo depois de o filme terminar. Você não sai do cinena com uma conclusão sobre o filme. Você leva o filme consigo juntamente com todas suas perguntas. E a vontade de ler o livro.

Já Jean Charles, tem uma dramatização  exata do que é o brasileiro em qualquer lugar do mundo. No fim do filme fica difícil conter as lágrimas ao perceber que poderia ser você na situação. Sem dúvida tanto um quanto o outro, esses filmes mereciam ter recebido mais que R$2,00 para serem vistos.

Porém fico feliz pelo apelo do incentivo a toda arte brasileira. Como brasileiros devemos reaprender a valorizar nossa cultura, opiniões e jeito. Anda temos muito que aprender com os americanos nacionalistas da qual não gostamos. Mas temos que continuar com a humildade e alegria africana, herdada dos que perderam sua vida no chicote. Talvez por esses e somente esses, deveríamos amar  mais quem somos e respeitar mais a pátria que nos pariu. E não percam os próximos filmes que vem por ae….Lulla, Besouro e Tim maia!